Artículos

A ascensão do Brasil: os dois lados da realidade

O Brasil-potência desponta com avanços sociais históricos, empresas transnacionais em expansão e maior protagonismo global. O momento de euforia inclui a emergência da nova classe média, a explosão do consumo e a projeção da imagem brasileira no mundo. No entanto, as melhorias contrastam com a violência, a falta de infra-estrutura, escândalos de corrupção, loteamento do Estado e uma diplomacia que, em nome da estratégia Sul-Sul e da campanha pela reforma da onu, prioriza «amigos» e ditadores em vez de democracia e direitos humanos. O artigo analisa essas duas faces do Brasil atual, cujo processo de afirmação vem carregado de simbologia.

A política externa brasileira em tempos de novos horizontes e desafios

Como acontece com outras políticas públicas, a política exterior brasileira tem experimentado uma série de transformações nos últimos anos, que combina mudanças iniciadas há longo tempo com inovações mais recentes. O artigo analisa a política exterior brasileira, em particular a ativa diplomacia presidencial desenvolvida por Lula desde sua chegada ao poder, assim como os principais temas da agenda exterior – das novas coalizões multilaterais e a «redescoberta» da África à integração regional na América do Sul e os vínculos com os Estados Unidos.

Brasil: vocação libertadora e tentação imperial

O Brasil é observado na América Latina a partir de um ponto de vista dúbio: libertador e imperial. Por um lado, o país impulsiona um processo de auto-afirmação regional emancipatória e, por outro, mostra características de potência emergente com ambições hegemônicas. O artigo analisa a evolução histórica do Brasil desde a sua condição inicial de império conservador até seu atual papel progressista. Ao mesmo tempo, assinala os sintomas de uma tentação imperial sempre latente, fundamentada na dinâmica socioeconômica interna, e sugere aos demais países da região que sigam uma política de amizade com o Brasil, mas somando outras conexões que propiciem um equilíbrio.

Multinacionais brasileiras: opção ou imposição?

A internacionalização das empresas é um fenômeno mundial, que nos últimos anos chegou aos países em desenvolvimento. No caso do Brasil, a internacionalização de suas empresas foi impulsionada pela liberalização financeira e comercial, o aprofundamento da integração no Mercosul, a estabilização macroeconômica produzida pelo Plano Real e as privatizações. Após analisar as causas, o artigo revisa os desafios e obstáculos que as empresas brasileiras enfrentam no exterior.

Novo desenvolvimentismo: uma proposta para a economia do Brasil

O Brasil tem ganhado peso na região e no mundo, assim como autonomia em sua política exterior. Entretanto, os avanços em matéria econômica são menos claros e demandam uma análise. Embora o Brasil venha conseguindo altas taxas de crescimento, o pib tem se expandido a um ritmo menor que o de outros países em desenvolvimento, como Índia e China, no contexto de um modelo altamente dependente de capitais externos. O artigo propõe uma política alternativa, o «novo desenvolvimentismo», que defende um Estado financeiramente sólido, sem déficit fiscal, mas que não acredita, como a ortodoxia convencional, que o mercado seja a solução para todos os problemas. Não se trata de um modelo teórico, e sim de uma proposta política para dar sustentabilidade ao crescimento do Brasil.

Novo padrão de mudanças sociais no Brasil

A partir de 2004, o Brasil iniciou uma etapa de mudança social inédita: ao contrário do que acontecia no passado, o país consegue combinar aumento da renda nacional per capita com redução da desigualdade pessoal da renda. O artigo analisa o novo padrão de mudança social no Brasil e suas diferenças em termos de gênero, idade e Estado. E conclui que a nova etapa é o resultado de uma série de políticas – planos de transferência de renda, aumento do salário mínimo, mais presença do Estado – que, pela primeira vez, contribuem para melhorar a distribuição sem afetar o crescimento.

O país do futuro, visto da Argentina

Como o Brasil é percebido por seu vizinho mais próximo? Que imagens projeta? Qual é a percepção sobre seu futuro? A partir da análise das trajetórias históricas, expressões da cultura política de ambos os países e alguns textos significativos, o artigo identifica traços fundamentais do Brasil – a continuidade do Estado, a persistência da desigualdade, a suposta cordialidade de seu povo – que ajudam a entender a imagem do Brasil que prevalece na Argentina, o que, por sua vez, permite definir melhor a ideia que os próprios argentinos têm de seu país.

Segurança pública no Brasil contemporâneo

A segurança é um dos grandes problemas e uma das principais preocupações dos brasileiros. O número de homicídios permanece elevado e se distribui de maneira desigual: quem sofre a violência são os pobres, os negros e os moradores das favelas. O artigo analisa esse fenômeno e revisa os motivos que impedem uma solução definitiva: o modelo de polícias militares, os arranjos institucionais precários e a brutalidade da força pública. A conclusão é que, para além de algumas poucas experiências virtuosas, têm sido registrados poucos avanços nos últimos anos.