Tema central

Hannah Arendt e o casamento igualitário A luta pelos direitos lgbt na Argentina

A aprovação da Lei do Casamento Igualitário, no dia 15 de julho de 2010, constituiu um ponto de inflexão nas lutas pelos direitos das chamadas «minorias sexuais». Somou-se à abertura ideológica do governo de Cristina Fernández de Kirchner uma estratégia definida que fez da demanda «inegociável» do casamento o eixo da luta das organizações lgbt. Esse caminho modificou discursos e formas de ação e gerou um amplo apoio social (político, cultural e midiático). Nesse sentido, não se tratou apenas da lei, mas de um processo prévio que conseguiu fazer com que a discriminação por motivos de orientação sexual se tornasse politicamente incorreta.

Hannah Arendt e o casamento igualitário / A luta pelos direitos lgbt na Argentina